terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Online Teaching Techniques

I am interested in online teaching techniques. With this video I try to summarize some tips on techniques for teaching online.

video


What teaching techniques you know?

What are the most important?

Thank's,

Pedro

domingo, 22 de novembro de 2009

Online Teaching Techniques


Unit 2
Activity 1
materials related to online teaching techniques in an annotated bibliogaphy

Online Education and Learning Management Systems
http://www.studymentor.com/
http://www.studymentor.com/Quizzes/Online_Teaching_Techniques.htm
The major book on e-learning from a European author. It is an interesting and important contribution to the growing literature on technology/enable learning.

Teaching methods and techniques for computer-mediated communication
http://www.nettskolen.com/forskning/22/icdepenn.htm
A pedagogical technique is a manner of accomplishing teaching objectives. The techniques introduced here are organized according to the four communication paradigms used in computer-mediated communication.

The Online teaching guide
The Online Teaching Guide is a one-of-a-kind resource for developing and implementing a successful online course. From the basics of online teaching to techniques, tools, and methods for effective online communication.

Four models of on-line teaching
http://davidtjones.wordpress.com/publications/four-models-of-on-line-teaching&
Presented here are four models to illustrate the diversity of approaches. All four models are currently in use. No claim is made here to present a “best” model; rather the purpose is to illustrate four different approaches which may be equally valid in different contexts.

Tips and Tricks for Teaching Online: How to Teach Like a Pro!
http://itdl.org/journal/oct_04/article04.htm
This paper summarizes some of the best ideas and practices gathered from successful online instructors and recent literature. Suggestions include good online class design, syllabus development, and online class facilitation offering hints for success for both new and experienced online instructors.

Teaching Online: Techniques & Methods
By Martin Kimeldor
http://amby.com/kimeldorf/teaching.html
This paper discusses some general methods for developing projects between students from different locations through the use of telecommunications.

A Model to Integrate Online Teaching and Learning
Tools Into the Classroom
http://scholar.lib.vt.edu/ejournals/JOTS/v30/v30n2/pdf/schmidt.pdf
This article introduces a model that addresses how an effective combination of
online and traditional classroom teaching can be obtained. The article shows how learning out comes and preferences as well as the awareness of student characteristics and student feedback such as the perception of classroom environmentcan be used to enhance the quality of a combined learning environment.

Surfing for the Best Search Engine Teaching Techniques!
http://www.education-world.com/a_tech/tech078.shtml
Surfing the Net is part art and part science. Education World writer Sherril Steele-Carlin explores those questions and others in this article just for you and your students! Included: Links to great search engine tutorials and techniques.

O Ensino On-line à Volta do Mundo - Métodos, Técnicas e Reflexões sobre o ensino on-line
http://www.apagina.pt/?aba=7&cat=120&doc=9265&mid=2
Online conference about methods and techniques in E-learning.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

debate on self-paced vs group-paced progression

uc:@Processos Pedagógicos em Elearning-09
Mestrado em Pedagogia do E-Learning

Universidade Aberta 2009

summary and comments


The referee team (Eduarda, José e Pedro)

The women's group, presented in general, the main features of self-paced, which are:
The student controls the pace of learning, not being dependent on a structure or rhythm forced by someone else. The Internet is a great advantage, because it allows the student to download the materials for the activities, or to access them anytime, since they are available 24 hours a day.
In the self-paced, made the teacher has a very important role, because he guides the students through their learning process.
The men’s group defends the group paced mode. The group presented the advantages of his mode mainly by refuting the statements of the other group in favour of self-paced mode, particularly the lack of interaction and isolation that can lead to situations of lack of motivation. On the other hand, presented some of the strengths of group paced mode, including situations of working together, as they contribute greatly to learning through the sharing of ideas and mutual assistance which is almost constant, thus strengthening the motivation of actors.
In general, the women's group presented the main characteristics of self-paced, some of which are:
The student controls the pace of learning, he’s not dependent on a structure or rhythm imposed by someone. The use of the Internet is a great advantage as the students can both download the materials for their activities and have access to them at anytime, as they are available 24 hours a day.
In self-paced, the teacher has a very important role, for it is he who guides the student in their learning process.
The group of men, defender of the group-paced, chose to oppose the points made by the group of women. They highlighted the lack of interaction and isolation that can lead to situations of lack of motivation. On the other hand, they presented some of its strengths, including working in groups, as they contribute greatly to learning through the sharing of ideas and mutual assistance which is almost constant, thus strengthening the motivation of the students.
In conclusion, the women’s group has shown good arguments in defence of their model, but the same arguments are repeated too many times. The men group also presents good arguments but it is very supported by the argument of the other group. Finally, we emphasize the interesting debate which took place in such a short space of time. Congratulations to both groups. Well done!

PedroTEIXEIRA

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

learning objects - review - Cooperative Freedom by monicavelosa




Hi, Mónica
I have just read your work and I liked it a lot. You used “toonlet” which I find very attractive because it allows you to explain a concept by means of very powerful cartoon-tool idea. I think it was a good choice because you were able to be very effective in explaining the theory of cooperative freedom. This way catches the attention and you were synthetic and organized in the presentation of the concept.

Well done,
Pedro Teixeira

learning objects - review - Cooperative Freedom by Rosalina Nunes


Hi, Rosalina

I have just read your work and I liked it a lot. I liked the way you use to explain the theory of cooperative freedom, particularly the fact that you used a simple structure to illustrate the concept and used a remarkable association between images and text. This resulted in a very clear image of the idea in a very appealing package. Another aspect that I fancied is the fact that you started by listing some of the most relevant drawbacks of the learning theories and use that to open way to introduce the advantages of the cooperative freedom theory and its concepts and description. The result was a very coherent and structured presentation of the cooperative freedom theory. Finally I think that mentioning the contribute of Professor Morten Flate was very thoughtful and adequate, due to his importance as mentor of this theory.

Well done,
Pedro Teixeira

domingo, 1 de novembro de 2009

cooperative freedom

this video aims to summarize the theory of cooperative freedom by Professor Morten Flate Paulsen in online education.

domingo, 25 de outubro de 2009

The Hexagon of Cooperative Freedom



This picture try to explain how works the relations between individual flexibility and affinity to learning community.

Cartoon



Cartoon about the theory of cooperative freedom
http://toonlet.com/archive?m=s&i=10870

cooperative learning


Cooperative Learning
http://en.allexperts.com/e/c/co/cooperative_learning.htm#hd8
In cooperative learning environments, students interact in purposely structured heterogeneous group to support the learning of one self and others in the same group. In online education, cooperative learning focuses on opportunities to encourage both individual flexibility and affinity to a learning community (Paulsen 2003). Cooperative learning seeks to foster some benefits from the freedom of individual learning and other benefits from collaborative learning. Cooperative learning thrives in virtual learning environments that emphasize individual freedom within online learning communities.

Cooperative learning explicitly builds cooperation skills by assigning roles to team members and establishing norms for conflict resolution via arbitration. Cooperative learning should also provide the means for group reflection and individual self-assessment.

"Cooperative learning (CL) is an instructional paradigm in which teams of students work on structured tasks (e.g., homework assignments, laboratory experiments, or design projects) under conditions that meet five criteria: positive interdependence, individual accountability, face-to-face interaction, appropriate use of collaborative skills, and regular self-assessment of team functioning. Many studies have shown that when correctly implemented, cooperative learning improves information acquisition and retention, higher-level thinking skills, interpersonal and communication skills, and self-confidence.

domingo, 10 de maio de 2009

Licenças e OER's

Este trabalho foi realizado para a UC “Materiais e Recursos para E-Learning” do mestrado “Pedagogia em E-Learning” da Universidade Aberta. O trabalho centrou-se na pesquisa online e selecção de três posts relevantes sobre Recursos Educacionais Abertos. O trabalho foi orientado para a questão da atribuição de licenças, do seu uso e dos problemas inerentes. Começo por uma pequena introdução sobre o que são OER’s (Open Educational Resources) ou Recursos Educativos Abertos (REA’s) onde se tenta definir quais são os seus objectivos e as implicações que dai advêm, nomeadamente a questão das licenças.
Os Recursos Educacionais Abertos (REA), são mais conhecidos pelo termo inglês OER (Open Educational Resources). Refiro a aqui o blog de Andreia Santos http://aisantos.files.wordpress.com, onde no primeiro ponto, define OER. E o são OER? Segundo Hilen (2006), REA são materiais educacionais digitais disponibilizados de forma livre e aberta para o meio académico, utilizando-os para o ensino, aprendizagem e pesquisa. Este termo apareceu pela primeira vez em uma conferência da UNESCO em 2002 (HILEN, 2006). Os REA abrangem os Conteúdos de Aprendizagem ou seja, cursos, conteúdos modulares módulos, modelos de aprendizagem. Os REA, incluem também ferramentas para o apoio do desenvolvimento, utilização, reutilização, busca e organização de conteúdos, tutorais de aprendizagem, ferramentas de autor, e por último os recursos de implementação que abrangem licenças para a distribuição de materiais em modo aberto. Segundo Wiley , o termo Open Educational Resources tem origem na tentativa de estabelecer um padrão nos modelos de aprendizagem. Com a evolução da utilização dos modelos de aprendizagem Wiley definiu em 1998 o conceito de Open Content e criou a Open Content License/Open Publication License, o objectivo de alargar a todos os REA. A adesão à ideia de conteúdo aberto, teve um crescimento exponencial, ultrapassando mesmo o espaço educacional, que implicou em determinado momento a criação de um conjunto flexível de licenças, tendo sido fundada em Harvard a Creative Commons. Em 2002 a UNESCO patrocinou um evento voltado para a discussão da disponibilização de recursos educacionais de forma universal, estabelecendo o termo Recursos Educacionais Abertos, com a seguinte definição:

“Open Educational Resources are defined as “technology-enabled, open provision of educational resources for consultation, use and adaptation by a community of users for non-commercial purposes.” They are typically made freely available over the Web or the Internet. Their principal use is by teachers and educational institutions support course development, but they can also be used directly by students. Open Educational Resources include learning objects such as lecture material, references and readings, simulations, experiments and demonstrations, as well as syllabi”.

Após a definição de OER, há que colocar a seguinte questão. E os direitos de autor? Como posso utilizar um recurso OER? Estarei a fazer um “bom uso” de um recurso OER? A licença, será a solução? E de que forma? Bem, a disponibilização de conteúdos abertos de forma livre e aberta, está sujeita aos direitos de autor e à propriedade intelectual destes conteúdos. Assim, foram criadas licenças de uso específicas, para conteúdos abertos. Entre as licenças utilizadas para a disponibilização de conteúdos educacionais digitais abertos temos o Open Content License/Open Publication License, a GNU Free Documentation License e o Creative Commons. A Creative Commons é a licença que tem um melhor suporte para a publicação e disponibilização de conteúdos digitais no contexto dos REAs.A Open Content License, que contempla grande variedade de conteúdos, onde “conteúdo” não está propriamente definido, permitindo que a licença seja aplicada para qualquer meio. A primeira desenvolvida por Wiley- Open Content License, foi criada a pensar nas necessidades académicas com o objectivo de possibilitar a partilha de trabalhos. A Open Content License baseia-se livre acesso para o utilizador final, sujeita a três níveis de liberdade: o direito de fazer cópias, o direito de redistribuir o conteúdo e o direito de modificar o conteúdo. A Open Publication License sucedeu a Open Content License, melhorando alguns pontos que Wiley entendia como insuficientes. Esta licença assume que qualquer publicação é livre para reprodução, distribuição ou modificação. A Open Publication License prevê a reprodução e distribuição de parte ou totalidade em qualquer tipo de média. A propriedade da licença é de seu autor. Devido a algumas deficiências/lacunas, a Open Content License foi substituída pelas licenças Creative Commons e GNU Publicationa License. Estas licenças podem impor algumas restrições, que podem alterar na natureza da licença, transformando-se numa licença não aberta. A GNU Free Documentation License é uma licença para ser utilizada em documentações abertas sob o modelo copyleft. Ela pode ser utilizada para a documentação de manuais e também para outros tipos de trabalhos como livros, dicionários, não se restringindo somente para trabalhos textuais. Esta licença foi criada como complemento a licença GNU GPL e teve como objectivo ser utilizada em manuais de softwares sob a licença GNU ou documentos que possuíssem algum “valor funcional”. Devido a estas definições, esta licença é considerada tecnicamente confusa, sendo recomendada somente para textos técnicos. Relativamente à Creative Common License, esta, tornou-se a mais utilizada por todas as pessoas interessadas em licenciar conteúdos dos mais variados tipos. Na Creative Commons, o autor pode combinar uma série de liberdades ou restrições, como por exemplo optar por uma licença que permita qualquer uso, pode também escolher uma licença somente para uso não comercial ou também optar por uma licença que permita qualquer utilização desde que estas liberdades sejam repassadas aos usos posteriores (copyleft). Esta licença tem como objectivo facilitar o processo de se basear em obras de outros, possibilitando aos autores a concessão para que outros se baseiem na sua obra original de forma fácil e segura, dispensando os especialistas em licenciamento, através de rótulos que estão directamente ligados à versões de licenças legíveis electronicamente. Além disso, a Creative Commons promove o esclarecimento e contribui para educação/sensibilização do público acerca dos direitos de autor, liberdade de expressão e comunicação e domínio público.
Após ter indicado um conjunto de soluções para disponibilização de conteúdos abertos de forma livre e aberta, a polémica continua a persistir. O blog de David, http://opencontent.org/blog/, coloca algumas questões no uso de open licenses, que entendo por pertinentes. As OER deveriam permitir o uso, a revisão, a mistura e a distribuição, entre outros. Mas, tal acaba por falhar, ou seja, quando há a necessidade de criar um recurso que vá de encontro a um objectivo próprio, e que se baseia na utilização de diferentes recursos (alterados), as licenças actuais limitam esta forma de aplicação. Outra dificuldade que se pode colocar, é a questão da licença mundial, como sabemos, actualmente não temos uma licença que se possa utilizar em todos os países, devidos às diferentes leis aplicadas a cada país. Neste sentido a Creative Commons tem uma nova licença, a ccLearn. Esta licença visa a promoção e partilha gratuita de material educacional a nível mundial. Este blog, http://www.deburca.co.uk/blog/ , explora esta nova licença, onde tenta explicar o seu alcance. Concluindo, neste trabalho tentei estabelecer uma relação entre as REA’s e as licenças necessárias para que realmente sejam abertas e livres. Verificou-se que tal ainda não acontece, existindo situações que comprometem este conceito.

domingo, 19 de abril de 2009

Duas figuras de referência no Ensino à Distância

A primeira figura de referência que eu escolhi foi o Sir Isaac Pitman (1813-1897), por ser sido um dos pioneiros no desenvolvimento do ensino à distância, foi um educador e inventor inglês. Inventou um método de taquigrafia (ou estenografia), que ganhou divulgação à base de fichas e intercâmbio postal com seus alunos. A segunda figura por mim seleccionada, é o Professor Inocêncio Galvão Telles, ministro da educação nacional (1962-68), por estar relacionado com a criação da "Telescola", modelo de ensino à distância implementado nos anos sessenta, tendo funcionado durante quarenta anos. O Professor Galvão Telles foi um impulsionador no desenvolvimento das técnicas audiovisuais ao serviço do ensino e da investigação científica e, em particular, criação da Telescola.

O que é para mim o Ensino a Distância?

Para mim, o Ensino à Distância é um modelo de educação/formação, no qual professor e aluno (s) estão fisicamente em pontos geográficos distintos e separados temporalmente. O ambiente formal de aprendizagem também não existe. Para este modelo funcionar, será necessário estabelecer comunicação de forma diferente do modelo tradicional. Nos primeiros tempos, o ensino à distância terá começado através da correspondência postal, tendo evoluído para outros meios, como a rádio, a televisão e, mais recentemente, as tecnologias Web/Internet e conteúdos multimédia.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Eu na Universidade Aberta

Olá a todos,

Este blogue foi criado no âmbito do mestrado "pedagogia do e-learning".